Carta da Irmã Lucília - Janeiro 2017

Postado 2017/03/30
Queridos Amigos, Padrinhos, Madrinhas... Todos e todas que habitais o meu coração:
 
 
Como eu teria gostado de estar mais em contacto com todos e cada um de vós. Não me foi possível!
 
Sei que foram estando por dentro da nossa actividade através das várias comunicações da Associação dos Amigos de Inharrime, o que muito agradeço.
As muitas actividades, as várias responsabilidades assumidas ao longo do ano, impediram que partilhasse as acções mais significativas do ano 2016. Aqui estou agora, para agradecer a cada um e cada uma, a vossa presença amiga, junto das nossas crianças, não só com a vossa anuidade, mas também com lembranças, cartas, postais e...tanto, tanto carinho. Obrigada!
 
 
As Irmãs da comunidade, apesar do número reduzido, permanecemos apenas cinco, para as muitas actividades, procuramos dar resposta às exigências do Centro, das escolas, da Pastoral e apadrinhamentos. Valeu-nos a comunhão e amizade verdadeira entre nós.
 
Foi linda, e muito positiva, a permanência dos vários voluntários e voluntárias ao longo do ano. Cada um imprimiu o seu “cunho” especial, manifestando o melhor do seu ser.
Gostaria de lhes exprimir, mais uma vez, a minha profunda gratidão. Se as crianças tiveram resultados académicos positivos, sei que muito se deve ao reforço escolar e ao acompanhamento dos jovens voluntários.
 
As crianças apadrinhadas, vão aumentando cada dia. Já ultrapassam as 800.Tudo o que a elas se refere, tem sido realizado com competência e amor, pelos voluntários espanhois. Só quem se mete nesse serviço é que percebe o que se exige, para que as crianças, recebam cada trimestre a alimentação a que têm direito.
As jovens que deixaram o Centro, levaram no coração um profundo sentimento de gratidão para com todos. Saiu a Valéria, a Tânia, a Olência, a Catarina Alice, a Abiba, a Rinalda, a Esaltina e a Páscoa. Todas continuam os seus estudos, umas na Universidade e outras em Institutos Médios( também ajudadas por padrinhos). Continuam os seus cursos a Angélica, a Berta, a Clara, a Adércia, a Mariazinha e a Ângela.
Umas saem e outras entram. O importante é que o Centro seja casa que acolhe e educa, dando a estas crianças que se vão tornando mulheres, critérios e valores que lhes permitam levar uma vida digna.
No Ano 2016 terminou-se a cobertura do campo de jogos e iniciámos a construção da biblioteca e sala de professores para a escola primária, que está na sua fase conclusiva. Esperamos inaugurá-la no dia 7 de Abril, uma data bonita para a mulher moçambicana. Espero que seja esta construção a fechar as muitas obras que ao longo destes anos se foram edificando... Ao pensar na frase do Hino Nacional Moçambicano em que se diz “pedra a pedra construindo o novo dia...” eu percorro os doze anos em que “pedra a pedra” se construiu este pequeno mundo, e louvo a Deus Pai, por permitir que os mais pobres tenham uma casa, uma escola... uma família.
 
Queridos amigos, sei que não vos cansais de fazer o bem. Os últimos precisam de vós.
 
Um abraço gigante e todo o carinho da vossa Ir. Lucília Teixeira.